CARÊNCIA AFETIVA


-->
Já trabalhei no texto Entre Tapas e Beijos relações baseadas em amor X ódio, analisando pessoas que só conseguem viver entre tapas e beijos. Também há uma análise sobre o Desamparo no texto Amor, Desejo e Desamparo.

Mas agora falaremos daquela figura que sempre se faz de coitado reclamando a ausência de quem lhe ame. 

Quem não conhece a figura do carente de amor, aquele que sempre está carente e sozinho à procura do príncipe/princesa no cavalo que trará a felicidade?

É o mesmo que nunca está satisfeito com o amor que recebe, aliás, só gosta de receber. Um tipo que está em eterna procura do amor ideal ou que sempre está sozinho procurando alguém especial. Geralmente encontra-se depressivo e só reclamando que ‘ninguém me ama’, mas não se torna atraente para o mundo.

Quando encontra um amor, alivia-se. Assim, ou cria um vínculo baseado exclusivamente no amor que recebe do outro ou se submete a uma forma de amor degradante, anulando-se, já que vale a pena por estar recebendo o ‘amor’ que tanto espera.

Sua autoestima e identidade estão no amor que vem do outro. Quando o amor e a atenção cessam, há crises depressivas. Geralmente tornam-se dependentes e chatos com ciúme excessivo. O carente é quem precisa do outro para existir e por isso têm alta probabilidade de desenvolverem relacionamentos com submissão.

Alguns pensam que isso é carência de amor. Ledo engano. A carência não é necessidade de amor. Carência crônica é resultado de desenvolvimento psicológico insuficiente.

Crianças que não receberam amor na infância crescem adultos carentes inábeis na arte de criação de amor de forma autônoma. Vivem numa eterna espera de amor na tentativa de curar uma falha primitiva do passado. Podem ter tido mães que não os davam atenção necessária ou que os mimou excessivamente sem frustração.

Essa relação de mimo excessivo com a mãe cria o que se chama posição narcisista (conceito muito mais complexo e de múltiplas facetas), em que a criança não aprende a tolerar frustrações, as diferenças do outro, as ausências, tem ego enfraquecido para lidar com angústias, se sentem menosprezadas quando não têm atenção da mãe e autoestima baixa. 

Geralmente o mundo gira ao redor do umbigo da criança mimada, não há outro com quem se relacionar. Assim, cria-se um estado de egoísmo, no qual a pessoa tem dificuldades em dar o que quer que seja ao outro no relacionamento. Tudo no mundo é apenas o próprio Ego e as suas necessidades.

Logo, essa carência não é de amor. É resultado de uma falha básica na constituição da personalidade, da identidade e da capacidade de autoestima. Quanto mais se dá vazão à carência, mais carente se permanecerá, pois o indivíduo não se relaciona com um outro, mas apenas com as próprias necessidades afetivas.

Assim, a carência crônica é falta de entendimento sobre o que é amar. O amor precisa ser forma e não conteúdo. O amor no relacionamento precisa ser forma de ser, forma que carreia um conteúdo, forma de se posicionar perante o mundo.

O amor no relacionamento precisa ser forma de ego estruturado, forma de emoções amadurecidas, forma que resultou da boa criação. O amor no relacionamento precisa ser forma de existir, forma de lidar consigo mesmo, forma de relacionar-se.

Amor não é sentimento que se devolve porque se recebeu. Amor se cria. É uma forma subjetiva que transmite o sentimento que criamos independentemente do outro. Amor só é amor quando se ama apesar de e não por causa de.  Amor merecido é uma desgraça.

Só assim você será autônomo para criar amor e a partir disso existir e não depender do amor de outrem para existir e se sentir valorizado, porque amor é uma forma de existência que carregamos para o mundo.

Só tratando as questões primitivas básicas o carente poderá existir atrativamente para um outro e amar de maneira mais livre, desimpedida, leve e autônoma. 

Por fim, faça o teste que ajudei a elaborar para o Portal Uol Mulher Clique Aqui.

Drº Marcelo Quirino
Psicólogo Clínico (UFRJ)

16 comentários :

  1. "Amor só é amor quando se ama apesar de e não por causa de"

    Tao verdadeiro! Perdi um homem que sempre achei que amava "por causa de"; Eu o criticava pelos defeitos e falhas, mas no dia que fiquei sem ele, percebi o quao pequenos eram aqueles defeitos... e infelizmente muito tarde me apercebi que o "amava apesar de"

    Obrigada pelo texto, didactico!

    ResponderExcluir
  2. Poxa.. Esse texto me descreve. :( como deixar de ser carente???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa pergunta.... Tem como deixar de ser carente? Sinto q minha carencia esta me destruindo a cada dia.

      Excluir
  3. Muito bom... Conheço uma pessoa que é tão carente, que eu preciso ser muito cuidadosa pra falar com ela

    ResponderExcluir
  4. Lindo texto. Eu tenho um serio problema com carência, cheguei a conclusao que estou doente, preciso de tratamento. Espero encontrar logo a paz q preciso e aprender a lidar com isso

    ResponderExcluir
  5. nossa
    parabens
    muito bom o texto
    gostaria de ter contato com vc

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, que bom que gostou....
      psicologo@marceloquirino.com

      Excluir
  6. Esse texto é bom nunca pensei passar por isso sou muito carente mas tento me controlar mas é dificil

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...