A PSICOLOGIA EM IGREJAS


O gabinete das igrejas tem se transformado em consultório psicológico atualmente? Quais são os riscos disso? A entrada da Psicologia nos gabinetes se deve a quê? O que se tem feito nos gabinetes e o que se deve fazer lá é Psicologia ou Aconselhamento Pastoral? Os pastores têm confundido essas duas distintas ferramentas, tornando isto um risco para o Ministério e para familiar pastoral?

Esses supracitados questionamentos, além de nos vislumbrar com os objetivos desse texto, delineiam superficialmente as direções e posturas que assumiremos ao longo da reflexão aqui posta.

O cerne dessa introdução é pensar as fronteiras que certamente há entre a Psicologia e o que se faz no Gabinete Pastoral através do Aconselhamento. Permitir-se uma distinção entre esses dois espaços como corpo teórico e atividade Ministerial e o estabelecimento duma linha de raciocínio que nos possibilite o entendimento sobre as conseqüências dessa incompreensão.

Leia o restante aqui

2 comentários :

  1. Boa tarde. Gostaria de saber se o autor do blog tem alguma indicação bibliográfica sobre o tema, pois estou começando o meu projeto de TCC e gostaria de falar sobre esse assunto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Difícil... não conheço livros que problematizem o tema. Nas minhas aulas eu utilizada Psicanálise para fazer uma crítica dessa prática que mistura pastoreio com atendimento psicológico.

      Há um livro do John MacArthur Jr, que em suas primeiras páginas faz uma crítica à Psicanálise enquanto ferramenta de ajuda para o cristão. Mas literalmente risquei essa página do livro por se tratar de um pastor com uma visão leiga sobre o assunto e cuspindo abobrinhas. Mas quando ele se presta a falar do assunto da área dele, se sai bem, que é o Aconselhamento.

      Creio que sua labuta para achar livros sobre será grande...

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...